Agentes Autônomos de Investimentos (AAI) são obrigados a Inovar

09/11/2015 Por: Luciana Scapim

Bolsa com alta volatilidade e queda de 30% desde o pico no ano de 2011, Cotação do Dólar americano com alta de 100% no mesmo período, Inflação em torno de 10%aa e Taxa Básica de Juros no maior nível desde 2006 afastou as pessoas físicas do mercado acionário e reduziu drasticamente o mercado de clientes para os Agentes Autônomos de Investimentos (AAI).

Desde o início de 2015, a Bolsa só dá seu selo de qualidade às corretoras que tiverem agentes autônomos exclusivamente para atendimento de pessoas físicas e empresas não financeiras, impedindo a atuação de agentes em Investidores Institucionais tais como Tesourarias, Assets, Fundos de Pensão, Seguradoras e Investidores Não Residentes.

A CVM proíbe que os agentes administrem carteira, divulguem análises próprias ou tomem decisões em nome dos aplicadores (Instrução CVM 497).

O número destes profissionais reduziu de 14 mil em 2007 para cerca de 5 mil em 2015. Além disso, segundo números da ANCORD, em 2008 foram 1.999 novos habilitados e em 2014, apenas 379.

Baseado neste cenário, os agentes são obrigados a diversificar a oferta de produtos, passando a distribuir títulos de renda fixa de crédito privado e subscrição de fundos.

O Atlas PAS é a ferramenta ideal para este momento. Com alto nível de automação, simplicidade na operação, grande abrangência funcional e tecnologia SaaS/Nuvem, o Atlas PAS (Portfolio Accounting System) permite a administração e gestão de toda a carteira do investidor e possui o menor custo TCO (Total Cost of Ownership).

Entre as características do Atlas PAS, podemos destacar:
  1. Consolidação de carteiras de investimento
  2. Portal do Cliente (acesso à carteira de investimento através da internet com múltiplas visões de consultas e gráficos)
  3. Envio automático de book de relatórios para clientes
  4. Criação de consultas dinâmicas em suas tabelas, sem necessidade de customização
  5. Integração total com Excel
  6. Importação de arquivos da Bolsa e Corretoras (SINACOR)
  7. Captura automática de dados de mercado (ativos, fundos, cotações, etc.)
  8. Enquadramento/Compliance (flexibilidade na criação de regras/restrições para a carteira de investimentos)
  9. Valorização diária dos ativos
  10. Cálculo de IR, IOF e outros Tributos (inclusive com Gross-up)
  11. Controle de Caixa, Fluxo de Caixa, Liquidação e Disponibilidades
  12. Diferimento das receitas e despesas
  13. Apuração de cotas, rentabilidades e resultado financeiro por estratégia, classe de ativo ou ativo.
  14. Análise de indicadores de performance e risco (retorno comparativo, vol, sharpe, VAR, etc.), criação de benchmarks personalizados, simulação de carteira teórica, geração de lâminas
  15. Cálculo de taxas de gestão, administração, performance fee, corretagem e rebates
Sobre o autor:

Luciana Scapim

<< Voltar ao blog