BM&FBovespa Projeto de Integração da Pós-Negociação (IPNv2) às vésperas da produção

06/01/2017 Por: Cristiana Pellizzari

A iniciativa da BM&FBOVESPA de integrar e consolidar os processos operacionais das clearings de Derivativos, Renda Variável, Renda Fixa e câmbio através do projeto IPN (Integração de clearings de Pós-Negociação) entra num momento de grande criticidade e desafio. Estamos nos últimos três meses de testes paralelos antes da entrada em produção da segunda etapa, cujo escopo é o mercado de renda variável onde encontramos o maior volume de produtos, número de transações, volume financeiro e quantidade de players.

A Plataforma ATLAS já está preparada para a entrada em produção, esperada para MAR/2017 (data a ser confirmada em 03/02/2017, conforme comunicado oficial 105/2016-DO divulgado pelo BM&FBovespa em 26/12/2016).

Assim, a BRITech se coloca à disposição para:

  1. Apresentar os detalhes da solução implementada.
  2. Demonstrar como seria o uso cotidiano da solução na perspectiva dos usuários da plataforma Front-to-Back ATLAS.
  3. Participar da formulação da estratégia e cronograma de atividades para que a entrada em produção tenha seus riscos sistêmicos e operacionais mitigados.
 

Ressaltamos ainda que o projeto IPN é formado por quatorze frentes distintas (maiores detalhes aqui) listadas a seguir:

  1. Núcleo – Nova plataforma da clearing unificada possibilitará maior celeridade no lançamento de produtos e serviços e processamento em tempo real das atividades de alocação, repasse, controle de posições, compensação e liquidação.
  2. Core – Novo sistema de cálculo de risco para clearing integrada, multiativos e multimercados permitirá eficiência na determinação dos valores de margem dos participantes.
  3. Near – Estrutura de administração de risco da Câmara Integrada, com acompanhamento do risco intraday dos participantes, limites de concentração, de preços e backtest.
  4. NGA – Novo sistema de garantias visando maior eficiência operacional para os participantes. A visão consolidada permitirá alocação de garantias de forma mais eficiente.
  5. Clearing de câmbio – Integração da câmara de câmbio à nova estrutura de pós-negociação.
  6. GPS – Nova plataforma de geração de preços e taxas referenciais, compreendendo os processos de captura e tratamento de dados, MTM e divulgação.
  7. Cadastro de Instrumentos – Consolidação dos cadastros de instrumentos, calendários, indicadores econômicos, curvas e superfícies de volatilidade.
  8. Legados – Garantirá a integração à nova clearing dos sistemas atuais da infraestrutura de pós-negociação que não sofrerão mudanças (camada de convivência).
  9. Serviços de Informação – Assegura a continuidade dos processos de armazenamento e fornecimento de informações “não transacionais”.
  10. Custódia de Ouro – Incorporação da custódia de ouro aos atuais serviços da Central Depositária.
  11. Tarifação – Substituição de seis sistemas atuais por duas plataformas diferentes, que farão os cálculos dos emolumentos e taxas cobrados pela Bolsa de forma centralizada e integrada aos mecanismos de liquidação.
  12. Liquidação Financeira – Nova plataforma de liquidação que integrará a compensação de valores de diferentes produtos (liquidação centralizada).
  13. Tributação – Nova solução tecnológica, adequada à Câmara Integrada, que atenderá os requisitos legais da BM&FBOVESPA de divulgação das informações para base de cálculo e recolhimento de tributos.
  14. SINCAD – SISTEMA INTEGRADO DE CADASTRO BM&F BOVESPA – Desenvolvimento do Cadastro Integrado (SINCAD), que unificará os diversos sistemas de cadastro de participantes e contas usados atualmente.
  15. Sobre o autor:

    Cristiana Pellizzari

    Cristiana é pós-graduada em análise de sistemas e atua há mais de 11 anos na área de TI para o mercado financeiro. Em 2004 entrou para a YMF, principal vertente na área financeira da TOTVS, e após 8 anos atuando como Coordenadora de Projetos relacionados à mensageria, tornou-se especialista em mensagens SWIFT (Society for Worldwide Interbank Financial Telecommunication) utilizadas, principalmente, por investidores não residentes. Em 2013 entrou para o time BRITech, exercendo atividades de Consultoria em implantação e migração de projetos de Custódia. Atualmente, desempenha papel de Arquiteta de soluções na área funcional, com foco no mapeamento das necessidades de clientes.

    << Voltar ao blog
[CDATA[function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d