Fundos de Investimento Imobiliário – FII

26/07/2017 Por: Luiz Gasparelo

Fundos de Investimentos Imobiliários (FII) são formados por um grupo de investidores com o objetivo explorar a locação, arrendamento, venda e demais atividades do setor imobiliário ou de títulos e valores mobiliários ligados a esse setor, como LCI’s, CRI’s e ações de empresas do setor.

Cabe ao administrador (instituição financeira) constituir o fundo, captar recursos junto aos investidores e submeter-se a todas as exigências legais impostas pelos órgãos reguladores, como, por exemplo, Receita Federal e CVM.

Qualquer FII possui um regulamento que, dentre outras disposições, determina a política de investimento do fundo. A política pode ser específica e estabelecer, por exemplo, que o FII invista apenas em imóveis prontos destinados ao aluguel de salas comerciais, ou ser genérica e permitir ao fundo adquirir imóveis prontos em geral ou em construção, os quais poderão ser alugados ou vendidos.

O fundo obterá rentabilidade com a locação, venda ou arrendamento, caso invista diretamente em imóveis, ou de rendimentos oriundos de ativos mobiliários. Já o investidor obterá renda pela negociação de suas cotas no mercado secundário, no recebimento de amortizações ou pela liquidação do fundo, conforme sua política de investimentos ou deliberação em assembleia.

Para o investidor as vantagens de se aplicar em um FII, podem ser listadas, dentre outras:

  1. Aplicar em ativos relacionados ao mercado imobiliário sem, de fato, precisar comprar imóveis.
  2. Investir no mercado imobiliário com pequenos montantes de recursos.
  3. Diversificar os investimentos em shopping centers, hotéis, residências, hospitais, terrenos e outros.
  4. Terceirizar as tarefas ligadas à administração de um imóvel (compra, venda, procura de inquilinos, manutenção, recolhimento de tributos).
  5. Possibilidade de obter isenção de imposto de renda desde que: as cotas do Fundo de Investimento Imobiliário sejam admitidas à negociação exclusivamente em bolsas de valores ou no mercado de balcão organizado; possua, no mínimo, 50 (cinquenta) quotistas; e nenhum detentor de cotas pessoa física represente 10% ou mais da totalidade das cotas emitidas ou cujas quotas lhe deem direito a rendimento superior a 10% do rendimento do fundo.

A plataforma ATLAS/PAS permite o controle da rentabilidade, fluxo de caixa, tributos, eventos corporativos e contabilidade desses fundos, tanto na visão do cotista, como na visão do administrador do fundo. Neste caso, faz-se necessária a integração com o sistema de administração imobiliária.

Sobre o autor:

Luiz Gasparelo

Luiz é responsável pela área de Desenvolvimento de Produto. Com 20 anos de experiência no mercado financeiro brasileiro, aplica seus conhecimentos comerciais para o desenvolvimento e implementação de produtos no Bradesco, YMF, DATASUL e TOTVS.

<< Voltar ao blog