Gestão eficiente de fundos de investimento: Uma posição atualizada, reconciliada e alinhada aos registros contábeis e de custódia

11/10/2018 Por: Carlos Werneck

Segundo a ANBIMA, uma gestão de fundos de investimento eficiente envolve diversas ações e responsabilidades, o profissional por sua vez é responsável pela compra e venda dos ativos de fundo, carteira administrada ou portfólio, tudo isso baseado segundo os objetivos e política de investimentos pré estabelecidos.

Isso quer dizer que é ele quem analisa o mercado e decide quando, quanto e o que vender/comprar.

Elementos para uma análise eficiente

Para que essa análise seja eficiente ele precisa ter disponível a posição atualizada e condizente do portfólio que gerencia, com garantias de que tal posição está alinhada com os registros contábeis do administrador e custodiante de tal posição.

É muito comum que gestores possuam ferramentas de “espelhamento” de posição, tanto para fundos, clubes de investimentos ou carteiras administradas. Esse espelhamento garante que a posição do dia anterior está exatamente igual à do administrador/custodiante, que diferenças, erros e acertos já foram endereçados.

Além disso, a posição do dia é atualizada segundo as operações (compras, vendas, transferências, retiradas, depósitos, etc.) e novamente reconciliadas. Apesar de comum, esse processo não é simples e representa um grande desafio às áreas operacionais, pois consiste basicamente de:

  1. Obtenção dos indicadores gerais do portfólio (quantidade de cotas resgatadas, emitidas, remanescentes, valor das cotas e patrimônio líquido) para o primeiro passo de reconciliação;
  2. Obtenção da posição detalhada, conversão para o mesmo padrão dos seus controles internos e batimento das quantidades, preços e características dos ativos presentes nessa posição;
  3. Avaliação de toda a movimentação realizada no dia, seja ela resultante de suas instruções explícitas ou oriundas de características dos ativos (vencimentos, amortizações, etc.) ou eventos de mercado (exercícios de opções, etc.);
  4. Só assim, pode-se determinar a posição de abertura do dia, a movimentação de caixa prevista para aquele dia e o fluxo de caixa projetado para as próximas datas;
  5. Iniciadas as operações de mercado, o gestor precisa comunicar-se com os distribuidores, contrapartes, intermediadores para registro das operações e notificar seu administrador e custodiante para que eles possam proceder as devidas liquidações físico-financeiras.

Consequências da falta de atualização

Assim, dependendo do nível de acuracidade do “espelhamento”, o processo de gestão pode ser severamente prejudicado, ou até inviabilizado, em função da tomada de decisão baseada em posições equivocadas.

Mitigar esse risco operacional é responsabilidade de todas as áreas e players envolvidos e normalmente baseia-se na robustez, flexibilidade e eficiência da plataforma sistêmica utilizada (sistemas de boletagem, processamento de ativos, reconciliação, integração/mensageria e avaliação de performance).

Entender as dificuldades no dia a dia do gestor, e como sanar essas dificuldades é a garantia de melhores resultados. A BRITech desenvolve soluções em investimento com tecnologia e segurança. Conheça nossas soluções, fale com um dos nossos especialistas.

Sobre o autor:

Carlos Werneck

Economista, sócio fundador e COO da CYRNEL International entre 2006 e 2014. Carlos Werneck ingressou na BRITech em 2015 e é o executivo responsável pela equipe comercial e geração de novas receitas da empresa.

<< Voltar ao blog